Uma carta aberta aos pais de primeira viagem

Foto de freestocks.org no Pexels

Primo amado,

Faltam poucos dias para que o bebê que a sua esposa carrega venha e eu estou muito feliz por vocês dois. Eu sei que vocês estão até o pescoço de conselhos, mas vou deixar alguns aqui. Os que eu gostaria que tivessem me dado antes da minha filha nascer e alguns poucos que eu vi que faziam sentido. Não quero de forma alguma lhes atormentar ou ser condescendente com vocês. Nada de querer impor a minha experiência individual como pai de primeira viagem em vocês. …


Uma história de amor em poucas linhas.

Foto de xegxef no Pixabay

Espremeu-se pelos corredores apertados, imerso no barulho e um quase cego pelas luzes. Flanava olhando em todas as direções, mas parecia não haver nada ali para ele. Uma multidão de olhos estavam apontados em sua direção, até que um desses olhares capturou o seu. Então parou e, num instante, estava fisgado. “É este!”, disse enquanto apontava para a gaiola numerada e para o cão preto, cujo rabo abanava para ele.

“Vou levar este!”


Sobre mitologia arthuriana, Bernard Cornwell e meus livros favoritos.

Foto de Kevinsphotos em Pixabay.

Alguns períodos das nossas vidas são cruciais, os ditos anos de formação. Entre os meus mais importantes, a minha terceira infância, entre os seis e os nove anos, talvez tenha sido o mais importante.

Como já mencionei em outro texto, passei parte da minha infância na Inglaterra. Enquanto meu pai fazia doutorado na prestigiosa Manchester Business School, eu estava na segunda série com a Ms. Morris na All Saints School em Stockport, uma cidade vizinha. Não há nada de realmente notável neste subúrbio do berço da Revolução Industrial (além de ser a cidade natal do baixista da Blondie), mas foi…


Vocês não sentem vergonha em serem brasileiros? Nem um tantinho?

Foto de Jade Scarlato no Unsplash

Cada palavra que eu escrevo e deixo registrada é uma mensagem para o futuro, mas será que é possível se comunicar com o passado? Será que eu posso me mandar uma mensagem? Contar algo pro Alexandre do passado? O que eu escreveria nela? O conhecimento de eventos futuros pode mudar o presente ou o que aconteceu, aconteceu? Será que eu consigo dirigir um carro ao contrário?

Desculpa, gente. Assisti Tenet e ainda estou impactado. Vamos voltar à mensagem para o Fantasma do Alexandre Passado.


Um diálogo.

Foto por Milo Miloezger no Unsplash.

Pego meu expresso e dispenso o açúcar e o adoçante que a garçonete trouxe até a mesa. Olho o celular enquanto assopro o café e vejo um anúncio de um serviço de entrega de cafés especiais. Sorrio com o canto da boca e com uma pitada de desprezo.

“Eu fico imaginando o que o vô diria sobre essa moda de cafés gourmet.”

Meu pai olhou pra mim enquanto mexia o seu cappuccino com uma colher, como se estivesse esperando eu continuar.

“As pessoas hoje em dia recebem cafés especiais em casa. Eles vem em kits. Cafés cultivados regiões muito específicas…


Um agravo sobre carne, masculinidade frágil e acessórios inúteis.

Pra quem tiver interesse, esta infâmia pode ser adquirida aqui.

Cozinhar é uma das minhas atividades favoritas na vida. Amo preparar comida e, mais ainda, servi-la para as pessoas que eu gosto. É claro, não tenho nenhum treinamento formal, não sou profissional e não tenho nenhuma pretensão em ser um. Sou apenas um curioso que gosta de comida. Comecei no final da adolescência, ajudando minha mãe a preparar o almoço. Eu sempre chegava em casa da faculdade antes dos meus irmãos e, um belo dia, ela me pediu ajuda. Foi a primeira vez que eu cheguei perto do fogão. No início eu seguia suas instruções, aos poucos, fui tomando a…


As lembranças de uma casa, um bairro e uma cidade que não existem mais.

A Avenida Madre Benvenuta hoje. Foto surrupiada do Twitter do Prefeito Jean Loureiro.

“Era a casa da sua infância?”

“Não, mas foi a casa onde eu cresci.”

Por muitos anos, minha mãe dizia que éramos como ciganos, mudando de cidade constantemente e sem aviso. Até completar quinze anos, morei em nove casas diferentes, estudei em sete escolas diferentes em cinco cidades diferentes, localizadas em três países e dois continentes separados por um oceano. Cresci mudando de amigos a cada dois anos, reconstruindo minha vida completamente. Às vezes isso era bom, às vezes era ruim. Lembro especialmente como foi difícil mudar de Porto Alegre de volta para Florianópolis, minha cidade natal, no início de…


Na estrada, cada curva, cada marca de borracha no asfalto é um memento mori, um lembrete da nossa própria mortalidade.

Foto de Dominika Kwiatkowska no Pexels

“In a fast German car
I'm amazed that I survived
An airbag saved my life”

Viajar de carro pelas estradas no Brasil é uma experiência desoladora. Todo o caminho até o destino é um lembrete da nossa própria mortalidade. Muitas vezes sinto que estou num campo de batalha, olhando o que sobrou da paisagem depois que as tropas se foram. Pedaços de pneus de caminhão estourados ficam atirados pelo chão como membros decepados. Em cada curva há marcas de pneus, como as trilhas deixadas por balas de canhão. As muretas de concreto marcadas por cicatrizes que soam como um aviso…


Um microconto

Foto de Eric Wachs no Pexels

Sentei-me na guia sem me importar com a sujeira da rua. O maço de cigarros que estava no bolso da lapela logo apareceu em minha mão. Não fumo esta marca, nem gosto dela, mas você a fuma. Era pra você ter me chamado para tomarmos um ar e, então, eu lhe oferecer um. Subi as escadas e olhei para todos os rostos no salão, mas não encontrei o seu. Na luz difusa, todos poderiam ser o seu, mas nenhum o era. Tocou a sua música, aquela que você ouviu no meu carro e disse que adorava. Senti falta da sua…


Alguns álbuns te escolhem e um dos que me escolheu foi o seminal “Playing With Fire”.

A insônia é uma constante na minha vida desde meus 16 anos. Não sei exatamente quando eu reparei que estava tendo problemas para dormir, mas eu lembro de sempre ter dormido o sono dos justos até a metade terceiro ano do colegial. Antes disso eu era aquele adolescente arquetípico que conseguia dormir vinte horas ou mais seguidas. Um belo dia me percebi mais cansado e sonolento que o normal na aula e, antes que eu pudesse entender o que estava acontecendo, eu estava deitado na cama de olhos abertos sem conseguir dormir.

Os anos passaram e a insônia ia e…

Alexandre Aimbiré

Sociólogo de boteco, beletrista, guitarrista ocasional, pai, desenvolvedor e leitor ávido de caixas de sucrilhos. Leio e escrevo sobre o que me dá na telha.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store